A emoção que esta delícia da Pastelaria Portuguesa pode provocar a quem, finalmente consegue realizar o sonho de aprender a fazer Pasteis de Nata

Três jovens rapazes, vieram da Coreia do Sul, propositadamente, a Lisboa aprender a fazer Pastel de Nata.
Um veterinário, outro terapeuta da fala e outro formado em línguas.
O sonho de fazer Pastel de Nata, era já antigo e com a decisão de abrirem em conjunto uma Coffee Shop, na Coreia, estes 3 amigos resolveram vir beber à fonte e saberem todos os segredos, deste famoso bolo Português.
Verdadeiro Pastel de Nata
Fizemos várias aulas.
As primeiras só da massa. Experimentaram vários folhados, com diferentes métodos e ingredientes. Truques para deixar a massa mais estaladiça e formas de manter mais tempo crocante.  Depois fizemos o mesmo para o creme.
Ensinei as receitas conventuais e todos os segredos dos ingredientes, dos pontos do açúcar, das temperaturas, a equilibrar os aromas para deixar uma cremosidade perfeita no creme. 
Verdadeiro Pastel de Nata

Por fim, a forma correcta de abrir o folhado nas formas, os tempos de descanso, a cozedura nos fornos a alta temperatura e claro: o truque final para deixar os pastéis bem brilhantes…

 Perfeitos!!!

Quando, no fim do curso, os alunos provaram, ainda quentinhos, os Pastéis de Nata, feitos integralmente, por eles, fez-se silêncio…

Olhei para o mais novo e ele estava a chorar.

As lágrimas escorriam-lhe pelo rosto.

Perguntei-lhe porque chorava e ele só respondeu,
– Estou tão feliz!
Já sei fazer o verdadeiro  Pastel de Nata.

Quer Aprender a Fazer o Verdadeiro Pastel de Nata?

Formação personalizada à medida das necessidades de cada Formando

Entrar em Contacto

O mais internacional bolo Português!

Tenho alunos de todo o mundo a virem aprender a fazer o verdadeiro Pastel de Nata.
Brasileiros, Angolanos, Chineses ou Coreanos. Todos querem levar para as suas terras aquilo que provaram em Lisboa e não mais esqueceram.
Movidos pela emoção ou pela ideia de um negócio novo, o que é certo é que este bolo tão português já atravessou fronteiras e vende tanto ou mais, lá fora, do que nas famosas pastelarias  Lisboetas de Pastel de Nata.

Quer Aprender a Fazer o Verdadeiro Pastel de Nata?

Formação personalizada à medida das necessidades de cada Formando

Entrar em Contacto

Verdadeiro Pastel de Nata

Saiba algumas curiosidades sobre o Pastel de Nata pelo Mundo

É na China que se vendem mais Pastéis de Nata, fora do território Português
Em Hong Kong, chegam a ser vendidos, 40mil unidades contra as 20 mil que se vende em Lisboa.
Só nas famosas lojas de Souvenirs, “Koi Kei”, são vendidos mais de 3mil por dia
Foi através de Macau que os famosos Pastéis de Nata chegaram ao Oriente.
E o mais curioso, é que não foi um Português a levar o Pastel de Nata para este antigo território Português, como era de se esperar.
Foi um Inglês, chamado Andrew Stow, que provou, em Lisboa, os famosos Pastéis de Belém e ficou de tal maneira encantado que decidiu levar para Macau esta especialidade Portuguesa.
Assim, em 1989, abria em Coloane, a Pastelaria Lord Stow’s com os supostos bolos deliciosos que provou em Portugal.
Só que estes pastéis não eram bem fiéis aos de Belém.. E não foram bem aceites pelos que conheciam os originais.
Mas o britânico Andrew Stow, não desistiu, e como não sabia bem a fórmula original, insistiu na que criou.
Muito mais amarelo,  menos doces e servidos sem canela, ficaram conhecidos como “Portuguese Egg Tart” (tarte de ovo Portuguesa).
Hoje em dia vendem mais de 10mil por dia…
Fazem as delícias dos que provam e deixam clientes à porta, em filas de espera, à semelhança dos nossos Pastéis de Belém.
No Brasil o Pastel de Nata é conhecido por “Pastel de Belém”.
Envolto no mistério do famoso segredo dos fradinhos. Esta iguaria de origem conventual oferece a quem os prova a memória de uma visita a Lisboa ou do testemunho saudoso dos familiares lusitanos.
Graças a uma portuguesa natural de Leiria, hoje em dia pode-se degustar um delicioso Pastel de Nata, no Rio de Janeiro, em plena Copa Cabana, como se estivesse numa esplanada com vista para o rio Tejo.
Claro que as matérias primas, no Brasil são bastante diferentes das que tinha em Portugal. O que fez com que esta Portuguesa tenha tido bastante dificuldade em aperfeiçoar a receita. Chegou mesmo a deitar fornadas e fornadas de pasteis fora, até chegar ao resultado perfeito.
É hoje em dia, já produz cerca de 300 mil Pastéis de Nata por mês.
Foi pelas mãos do Britânico Andrew Stow que os Pastéis de Nata chegaram à Coreia do Sul.
A cadeia de Pastelarias “Lord Stow’s Egg Tart” tem várias lojas neste país, assim como no Japão, na Tailândia e nas Filipinas.